Você me enche

epigrafar:

e eu transbordo; no processo de liquefação mais breve da história. Escorro sob seu corpo inteiro, tentando encharcar tua epiderme com minha essência; misturo-me a você e te mostro que nosso amor tem fragrância forte, que fixa na pele e exala pelo ar. Você me ascende e eu explodo em desejo, paixão…

(Source: r-etalho)

200 notes

epigrafar:

O problema é que pesa.
Pesa e diminui a gente da própria gente.  
E cansa. Vira vertigem.
Despenca. Ausenta
Quase, quase dói.

340 notes
Pra dizer que teu amor foi daqueles que me roubou a pele, a vergonha, as vértebras, as têmperas, os búzios, os deuses, as falas, os gestos, os tempos, as vidas. Pra dizer que eu te amei demais muito mais do que supus, e que quis muito que tudo ficasse bem entre nós, mas que não foi bem assim. Dizer também que queria poder escrever mais, porém sinto atrofia e preguiça de relatar, novamente, como eu te quis, como eu me dei e como você poderia ter reagido a isso. Como tentei te salvar e por tentar te salvar, acabei me perdendo entre tantas guias e tantas ausências que nem eu sabia como suprir. Dizer que eu ainda te amo, que enquanto nada acontece, nada se resolve e você não fala, eu continuo aqui, esperando que tudo se ajeite, que você venha me roubar pela última vez e me levar daqui. Dizer que sinto uma ausência quando nós conversamos mas que você não se importa muito, e nunca se importou, se era ausência ou presença. Mas que eu te amei assim mesmo, ligando desesperado para sua mãe para ela me dizer algo de você, algo que acalmasse meu coração bravio, algo que me desse esperança de que você não havia se jogado de uma ponte como prometera. Pra dizer que eu escuto seu nome ao longe e choro de aflição e me escondo atrás dos escombros que jogaram em cima de mim. E que estou mais triste mais intenso e mais feliz. Mas que também choro pelas pessoas que perderam seus braços no vietnã e pelos textos que perdi quando roubaram-me de mim. Uma solidão que me roubou, uma agonia que tirou-me de mim, açoitou meus dramas e me fez viver com a ferida exposta. Pra dizer que súplico pelo seu calor entretanto não quero morrer dele, e que quero que entendas as minhas manias de fuga também. Por que não lhe disse que também sei fugir? Que também possuo pés capazes de voar? E que também tenho medo e por isso posso querer morar em outro esconderijo, que não você? Pra dizer que eu te amo eu te amo eu te amo, tanto que não posso mensurar, e é até pecado escrever, porque podem roubá-lo de mm. Pra dizer que teu corpo é como um oceano que margeia uma ilha deserta e que seus lábios são coxas de anjos que viraram poemas em algum lugar da terra. Pra falar que sinto uma inenarrável vontade de voltar no começo, no princípio, naquilo que foi de uma paz imensa, naquilo que causou um espantamento, no que foi mais do que amor. Aonde foi mais do que amor. Incomparável amor. Dedução ilógica de um sofrimento que não planejo mas que vem e sopra tudo e todos em cima da minha ferida - aberta, chamada seu nome. Floresinexatas. (via sereno)

(Source: etiopy, via sereno)

1,472 notes
Sentei na varanda, de cara pro céu. Contei minhas dores as estrelas. Me senti mais leve, como se o peso dos problemas fosse anulado pela falta de gravidade, como se quem a muito se foi estivesse aqui novamente, escutando. Amsterdã, 1957.  (via sereno)

(via sereno)

8,574 notes
Mas você vai lembrar de mim. Quando o timbre de alguma voz parecer o meu, ou quando alguém repetir tantas vezes o seu nome como eu gostava de fazer, você vai lembrar. Quando olhar para o relógio e ver que é exatamente o horário em que eu costumava te procurar, seu coração vai doer, porque você vai desejar mais do que tudo esquecer. Quando se deitar e olhar o teto vai sentir falta do calor do telefone no seu ouvido me ouvindo falar sem parar. Sentirá minha falta em tudo o que for pequeno, nos mínimos detalhes, perderá as forças quando alguém te dizer aquela palavra que levará teus pensamentos diretamente aos meus, nas músicas que eu cantava pra você, no rouco da minha voz. E os beijos de qualquer outra pessoa te farão desejar ainda mais ter de volta os meus. Quando reclamar do frio, não encontrará ninguém que te esquente tão bem quanto eu. E você vai sentir minha falta. Por favor, diga que sim. Diz que não é só comigo. Promete que quando a nossa música tocar pelas rádios você desligará o som porque além de não gostar da música, seu coração doeu. Lunara.      (via sereno)

(Source: casebre, via sereno)

61,528 notes
Por favor, não me analise. Não fique procurando cada ponto fraco meu. Se ninguém resiste a uma análise profunda, quanto mais eu… Ciumento, exigente, inseguro, carente. Todo cheio de marcas que a vida deixou. Vejo em cada grito de exigência. Um pedido de carência, um pedido de amor. Amor é síntese. É uma integração de dados. Não há que tirar nem pôr. Não me corte em fatias. Ninguém consegue abraçar um pedaço. Me envolva todo em seus braços. E eu serei o perfeito amor. Mario Quintana.  (via sereno)

(Source: acumul0s, via sereno)

31,855 notes
De qualquer modo, escrevi sobre uma rã que encontrei no jardim, com uma das pernas presa numa cerca de arame. Não podia se soltar. Eu tirei a perna dela da cerca, mas mesmo assim ela não podia se mover. Por isso eu peguei ela no colo e conversei com ela. Disse que eu também estava preso, que minha vida tinha ficado presa em alguma coisa. Conversei com ela durante um longo tempo. Finalmente, a rã saltou do meu colo e saiu saltando pela grama afora, e desapareceu num matagal. E eu disse a mim mesmo que ela era a primeira coisa de que eu já sentira saudade em minha vida. Charles Bukowski. (via sereno)

(Source: regou, via sereno)

3,462 notes
Aquele que luta com monstros deve acautelar-se para não tornar-se também um monstro. Quando se olha muito tempo para um abismo, o abismo olha para você. Friedrich Nietzsche. (via sereno)

(Source: oxigenio-dapalavra, via sereno)

22,756 notes
De dentro.

Do peito,
Da alma,
Do anseio,
De ser gente,
Contente,
Descontente,
Tente ser quem é,
Ser milhões de seres
Não irá te ajudar a ser
Quem precisa.
Dar valor a vida?
Ser vida?
Prefiro ser bicho
Ou pé de qualquer fruta.

Andernach, Alemanha. 1920.

(Source: sou-palavra, via oxigenio-dapalavra)

397 notes

epigrafar:

não me olha assim
com esse olhar
de quem quer
mas não pode
de quem pode
mas não quer.

(Source: incorpora)

482 notes